Arquidiocese de Maceió | Igreja Missionária e Samaritana

Arquidiocese de Maceió | Igreja Missionária e Samaritana

Notícias / Nacional

24/11/2013 23h28

"LEIGOS E LEIGAS: SUJEITOS ECLESIAIS"

Parabéns a todos os leigos e leigas da Arquidiocese de Maceió

CNLB

Já em seu tempo, encantado com os encontros mundiais da Ação Católica, aos quais comparecia, o Papa Pio XII cunhou a feliz frase: “Os leigos, mais que pertencer à igreja, têm que saber que eles são Igreja!”. Esta frase só se tornou clara e fundamentada no Concílio Vaticano II, pela Constituição Dogmática Lumen Gentium e pelo Decreto Apostolicam Actuositatem.

A frase, dita no início da década de 50, soava um tanto quanto revolucionária, já que até o Concílio a Igreja era considerada a hierarquia, os ordenados, isto quando não se reduzia ao bispo, ou pior, ao Papa. Os leigos e leigas deviam ser como que dóceis criancinhas levadas pelas mãos dos seus pastores. Pelo menos foi o que escreveu Pio X em sua encíclica “Wehementer vos”. Mesmo os leigos e leigas da Ação Católica, tão atuantes no mundo que, com seu exemplo e sua prática, tornaram possível certas posições assumidas no Concílio, mesmo este e estas eram “mandatados” pelos bispos para fazerem o que estes achavam que era seu apostolado, mas que, não podendo fazê-lo, mandatavam alguns leigos e leigas para fazê-lo em seu lugar. Mas o apostolado era considerado o trabalho e a função do bispo.

Tudo isso muda com o Concílio. Na Lumem Gentium, a Igreja é o “Povo de Deus”, é todo o conjunto de batizados pelo qual são um povo de sacerdotes, profetas e reis. Aos leigos e leigas, especialmente, está o mundo a ser evangelizado pelo seu apostolado: o vasto mundo da economia, da política, dos meios de comunicação social, da família, etc. Por isso mesmo que os bispos latino-americanos, reunidos em Puebla, na III Conferência Geral, afirmam, no no. 786: “Os leigos são a Igreja no coração do Mundo, e o Mundo no coração da Igreja”. Isto significa, por um lado, que os leigos e leigas são sinais sacramentais do Reino no mundo em que vivem, quer seja na família, no trabalho, na escola. Eles e elas tornam presente o Reino no meio dos Homens. Mas, por outro lado, vivendo na laicidade do mundo, os leigos e leigas voltam á Igreja trazendo para dentro dela essa mesma laicidade, os valores positivos que existem no mundo e que podem e devem ser valores no interno da Igreja. Podemos dizer, então, que os leigos e leigas trazem para dentro da Igreja os valores que podem torná-la mais dialogal com o restante da humanidade.

Aí está a diferença entre “pertencer” e “ser”, na fala de Pio XII, com a qual abrimos este artigo. As coisas, os objetos pertencem a alguém. Mas não são nada a não ser aquilo que este alguém determina que sejam, que façam. Entretanto, “SER IGREJA” significa ser sujeito eclesial, plenamente vocacionado e habilitado pelo Espírito para isso. E a Igreja precisa de todos esses sujeitos eclesiais para ser perfeita Comunhão: o sujeito eclesial bispo, o sujeito eclesial presbítero, o sujeito eclesial religioso(a), o sujeito eclesial diácono, e também o sujeito eclesial leigo. Todos SÃO IGREJA e vivem a comunhão eclesial. Cada um exercendo a vocação que no Batismo o Espírito lhe infundiu.

No último domingo do ano litúrgico, na Festa de Cristo Rei, comemoramos, no Brasil, o Dia Nacional dos Cristãos leigos e Leigas. É dia para comemorar e celebrar, mas também é dia de refletir seriamente. Afinal, 50 anos depois do Concílio os leigos e leigas se constituem, mesmo, como sujeitos eclesiais? Eles são Igreja ou apenas pertencem a ela? São PROTAGONISTAS da evangelização, como nos disseram os bispos em Santo Domingo, ou são apenas fiéis tarefeiros, que cumprem apenas as tarefas que lhes são confiadas? E para refletir sobre isso, nada melhor do que fazê-lo a partir de nossa organização: os Conselhos de Leigos e Leigas nas dioceses. Eles existem exatamente para a construção da consciência crítica do laicato. É com essa consciência crítica de que são sujeitos, e somente com ela, que podem ser comunhão com as demais vocações.

Pela música que adotamos como nossa, no Conselho de Leigos e Leigas, somos leigos e leigas pela graça de Deus. É assim que construímos a Igreja, sinal e sacramento do Reino trazido por Jesus Cristo.

Carlos Signorelli

Novembro 2013  

Sem comentários! Seja o primeiro!!!
Deixe seu comentário

ARQUIDIOCESE DE MACEIÓ | Igreja Missionária e Samaritana

Pastoral da Comunicação Cúria: (82) 3223-2732 ou 3021-4001 (07h30 às 14h) Gabinete do Arcebispo: (82) 3326-2321 (8h às 12h) PASCOM: (82) 3326-5458 (8h às 14h) Av. Dom Antônio Brandão, 559 – Farol 57051-190 Maceió – AL