Arquidiocese de Maceió | Igreja Missionária e Samaritana

Arquidiocese de Maceió | Igreja Missionária e Samaritana

Notícias / Arquidiocese

02/03/2018 19h58

Testemunho de Junior Amaranto leva esperança a dependentes químicos

Exemplo de superação contra as drogas, o psicólogo Junior Amaranto faz parte da Rede Acolhe e hoje como terapeuta cognitivo e espiritual ajuda outros dependentes a largarem as drogas

Micheliny Tenório / Comissão Arquidiocese de Maceió
Reprodução Internet

Quaresma é tempo de conversão e reflexão, é tempo de mudar, melhorar, fazer diferente! Reconhecer erros e superá-los é para quem tem fé. Exemplo disto é o psicólogo José Hamilton Alves de Oliveira Junior Amaranto, que aos 8 anos teve o primeiro contato com drogas, aos 10 já era “aviãozinho” e aos 12 já tinha sido apreendido pela polícia pela segunda vez por envolvimento em roubos.
Em entrevista ao Programa Discípulos e Missionários da Arquidiocese de Maceió, pela Rádio Milícia Imaculada, Junior Amaranto falou sobre sua experiência de vida e como superou o problema com o consumo de drogas e quando resolveu se converter ao Cristianismo após uma experiência de quase morte, quando tinha 13 anos.
“Eu me amparei num cavalo morto, após entrar na Lagoa Mundaú, para fugir de um grupo de pessoas que queriam me matar. Eles atiraram e os tiros acertavam o cavalo. Depois, eles se evadiram. Naquele dia, eu prometi a Deus que enquanto vida tivesse eu iria honrá-lo e servi-lo”, declarou Junior Amaranto, que também é missionário da Comunidade Shalom.
O Terapeuta cognitivo comportamental e especialista em dependência química está longe das drogas há 18 anos e neste tempo além da recuperação, ele optou por ajudar outros dependentes, razão, segundo ele, que o mantém saudável e longe de recaídas.
“Quando eu decidi mudar de vida, eu decidi ajudar outras pessoas que estavam na mesma situação que eu tive um dia, que vivia as mesmas vidas vazias, com falsas alegrias e curtições, que sempre acabavam com uma dor de cabeça no outro dia ou com o arrependimento depois. O que me faz manter-me ‘limpo’ é cada pessoa que ajudo, contudo, eu sou mais ajudado ainda”, afirmou Junior Amaranto.
Não é culpa dos pais
O psicólogo Junior Amaranto aproveitou a ocasião para desmistificar o estereótipo em torno do dependente químico, ao afirmar que a dependência é uma doença que requer tratamento e acolhimento da família para que o dependente consiga sair das drogas. E acrescentou que a dependência não escolhe pessoas, é algo ligado à resistência do organismo e ao emocional.
“Hoje eu cuido de 37 casas de recuperação para dependentes químicos aqui em Alagoas, através da Secretaria de Estado da Prevenção à Violência (Seprev), atendendo a adolescentes de 12 a 17 anos e jovens de 18 a 65 anos. São cerca de mil pessoas que recebem atendimento e que estão buscando a recuperação”, destacou Junior Amaranto, que está para iniciar um doutorado.
Conforme o psicólogo, se alguém tem um parente precisando de atendimento pode fazer isto de forma gratuita através da Rede Acolhe, no Centro de Acolhimento que fica próximo à Igreja de Santa Teresinha, no bairro do Farol, a partir das 8 horas. 

Sem comentários! Seja o primeiro!!!
Deixe seu comentário

ARQUIDIOCESE DE MACEIÓ | Igreja Missionária e Samaritana

Pastoral da Comunicação Cúria: (82) 3223-2732 ou 3021-4001 (07h30 às 14h) Gabinete do Arcebispo: (82) 3326-2321 (8h às 12h) PASCOM: (82) 3326-5458 (8h às 14h) Av. Dom Antônio Brandão, 559 – Farol 57051-190 Maceió – AL