Arquidiocese de Maceió | Igreja Missionária e Samaritana

Arquidiocese de Maceió | Igreja Missionária e Samaritana

Blogs

Dom Edvaldo - Atualidades da Igreja

19/07/2013 14h00

O IOR é necessário ou dispensável?

A sigla IOR quer dizer “Instituto para as Obras de Religião”

Praça de São Pedro - Roma

Em primeiro lugar, vejamos sua origem histórica e finalidade. A sigla IOR quer dizer “Instituto para as Obras de Religião”. Não confundir com o Banco Ambrosiano, de Milão, com o qual o IOR infelizmente andou se envolvendo em operações pouco limpas nos tempos do arcebispo Marcinkus, organizador e espécie de chefe da segurança das viagens do Papa João Paulo II e, por isso, mundialmente conhecido. O IOR foi criado em 27 de junho de 1942, absorvendo a “Administração das Obras de Religião”, que havia sido instituída por Leão XIII em 1887. Foi reformado ainda pelo Beato João Paulo II em 1º de março de 1990. Sua finalidade é prover à guarda e administração dos bens móveis e imóveis, destinados às obras de religião ou de caridade em toda a Igreja. Ele é controlado por uma comissão de cinco cardeais, presidida pelo Secretário de Estado, mas tem presidência própria.
Em uma missa celebrada na Domus Sanctae Marthae, disse o Papa Francisco: “Estão aqui alguns do IOR e que eles me desculpem, hein, mas devo dizer que tudo é necessário, mas até um certo ponto. A Igreja não é uma ONG (organização não-governamental) mas é uma história de amor. Por isso, o IOR como os outros organismos vaticanos são necessários como ajuda a essa história de amor. Quando a organização toma o primeiro lugar e desaparece o amor, a Igreja, pobrezinha, torna-se uma ONG, isto é, vira uma burocracia e perde sua principal característica, que é o amor.” Em 24 de junho, o Papa havia criado uma comissão de inquérito, presidida pelo Cardeal Rafael Farina, salesiano, mais o Card. Jean Louis Touran, já membro da comissão anterior do IOR, Don Juan Ignacio Arrieta, jurista, do Opus Dei, Mons. Peter Bryan e a Profª Mary Ann Glendon. Esta comissão foi recebida pelo Papa em 10 de julho, juntamente com o presidente do banco, Dr. Ernest Von Freyberg, nomeado ainda por Bento XVI em 15 de fevereiro deste ano, pouco antes de sua renúncia.
Em longa entrevista ao l´Osservatore Romano, Dr. Freyberg definiu o IOR como um serviço à Igreja no mundo. E especificou que o banco do Vaticano, em favor das dioceses, congregações e instituições católicas, tem 19.000 clientes em todo o mundo e gerencia cerca de sete bilhões de euros. “Esses fundos – esclareceu o presidente do IOR – são postos inteiramente a serviço da Igreja Católica e usados para hospitais, clínicas, missões e escolas nas regiões pobres. Seu propósito é garantir o sistema interno de uma instituição financeira de alto nível, com tolerância zero às atividades ilegais.” Finalizou afirmando com ênfase: “Nossos clientes não querem que o IOR feche; não desejam dirigir-se a outras instituições financeiras. Nosso maior desafio atual é eliminar todas as sombras e deixar resplandecer o Evangelho.”
O diretor do IOR Paolo Cipriani e seu vice Massimo Tulli pediram demissão em 1º de julho e suas funções foram assumidas interinamente pelo próprio Presidente Von Freiberg.
O Mons. Nunzio Scarano foi detido pelas autoridades policiais, quando tentava levar para o território italiano milhões de euros em avião particular, para não os declarar na alfândega. O Vaticano congelou seus ativos.
“Não creio que a Igreja possa não ter uma organização administrativa, que torne fatível sua missão” – afirmou o cardeal de São Paulo em entrevista ao jornal romano “Il Messaggero”. E continuou: “O IOR não é um banco, mas é um instituto com finalidades específicas de serviço. A questão não está tanto em possuir meios, mas na forma como são geridos: Decoro, honestidade, transparência, serviço”.
Acho que nesses quatro termos do Card. Scherer estão resumidas a razão de ser e a forma de operar do banco do Vaticano, o agora combatido IOR.
 

Sem comentários! Seja o primeiro!!!
Deixe seu comentário

ARQUIDIOCESE DE MACEIÓ | Igreja Missionária e Samaritana

Pastoral da Comunicação Cúria: (82) 3223-2732 ou 3021-4001 (07h30 às 14h) Gabinete do Arcebispo: (82) 3326-2321 (8h às 12h) PASCOM: (82) 3326-5458 (8h às 14h) Av. Dom Antônio Brandão, 559 – Farol 57051-190 Maceió – AL